Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘ONU’

Esse mês de setembro foi movimentado. Movimentado no sentido dos movimentos, das manifestações e das ações.

Quero começar com a Paraolimpíada de Tokyo 2020. Apesar de ter sido em 2021 mantiveram a nomenclatura da data original. Peço licença para escrever Tokyo ao invés de Tóquio. Para mim, é na Paraolimpíada que está o verdadeiro espírito original do esporte. O atleta paraolímpico já chega ao evento vitorioso. Todos os participantes são vencedores! É uma emoção em todas as modalidades, uma lição de resiliência e colaboração. Enquanto na Olimpíada, sinto que não há vencedores… parecem sobreviventes e até mesmo reféns. Claro que sabemos de histórias lindas de “fair play” como a da skatista Rayssa Leal de apenas 13 anos. Enfim, sem querer polemizar quero agradecer os paratletas brasileiros pela sua simpatia, alegria e as 72 medalhas. Um orgulho para o Brasil! A cerimônia de encerramento no dia 5 de setembro foi bem emocionante. Veja no link (entre 1h33 e 1h41) o convite da França para as Paraolimpíadas de 2024… sensacional! Mesmo!

Dia da Amazônia, também foi no domingo, 5 de setembro. Não há o que comemorar! Ao contrário a situação é tão crítica que provavelmente ela esteja emitindo mais CO2 do que oxigênio. Reportagens estão sinalizando essa tragédia. Desde uma matéria na revista Nature até uma reportagem do Fantástico. Ainda não sei onde estamos com isso e se os números de setembro vão confirmar esse pesadelo. A Amazônia é provavelmente o melhor argumento de negociação com os países Europeus. E se não estiver mais “funcionando”? A devastação violenta da Amazônia vem ocorrendo há pelo menos 10 anos e em alta velocidade nos últimos três. A boa notícia foi o lançamento da plataforma Plena Mata. Ela é uma parceria entre a Natura, InfoAmazonia, MapBiomas, Hacklab e Natura&Co. A plataforma monitora, em tempo real, o desmatamento na Amazônia. Tem um contador de árvores derrubadas por minutos e hectares desmatados. A ideia é trazer conscientização para a emergência do tema e mobilizar a sociedade em torno das iniciativas de conservação, mitigação e regeneração da floresta. Veja isso e muito mais no site da PlenaMata. . Outro momento bom foi o show do DJ Alok. Veja aqui  https://youtu.be/3GlGj6j3SFU

O 7 de setembro foi um dia de preocupação com a deterioração da democracia no Brasil. Ao invés da independência, estamos rumando à dependência ao invés da interdependência.

Os 20 anos do 11 de setembro que inaugurou uma nova era para o século 21, está expondo as feridas e falhas gigantescas dos EUA em relação a sua segurança e política externa. Parece injusto apontar o dedo depois que um evento ocorreu. Acontece que foram erros sistemáticos que demonstram a importância da ganância, competição pelo poder, corrupção, manipulação da mídia e falta de preparo para assumir a verdade. Como os acontecimentos históricos conseguem reverter uma situação como a do descrédito da população no presidente que parecia estar à beira de ser defenestrado. A grave consequência foi a instalação de um nacionalismo patriótico que alterou completamente o rumo da história. Isso já aconteceu muitas vezes. A última que conheço foi com o presidente da França, em 2015, que também estava desacreditado quando os ataques terroristas da sexta feira 13 de novembro tomou conta do noticiário francês e mundial. Foi uma semana depois que no Brasil mataram um rio (Doce) inteiro e inviabilizaram uma área do tamanho de Portugal e 15 dias antes da COP21 em Paris. Françoise Hollande ressuscitou das cinzas e voltou a cena pública francesa e até mesmo roubou (literalmente) a posição do competente presidente da COP21, Laurent Fabius. Foi um show de ganância, competição pelo poder, corrupção, manipulação da mídia e desonestidade. O circo criado no sábado apresentando o Acordo de Paris como uma grande vitória foi triste. Quem ganhou foi a diplomacia e quem perdeu foi o meio ambiente. O Brasil foi, talvez, quem mais perdeu por ter deixado de ter seu protagonismo emergir. O governo brasileiro montou um cubículo (ao invés de um estande a altura) e ficou escondido durante todo o evento para fingir que o desmatamento e outras atrocidades ambientais… não era com a gente. O crime ambiental de Mariana (rio Doce) que teria uma repercussão gigantesca entre os ambientalistas do mundo, ficou atrás dessas cortinas de fumaça.   

A propósito do Acordo de Paris, o Observatório do Clima e Laclima acabaram de lançar um mini manual “Acordo de Paris – Um Guia para os Perplexos”, que explica a história e o funcionamento das conferências do clima. É uma colaboração entre as duas redes, que teve coautoria da Carol Prolo, da Stela Herschmann e de mais uma turma boa da pesada. Imperdível no https://www.oc.eco.br/wp-content/uploads/2021/09/Minimanual-Acordo-de-Paris.pdf

A Virada Sustentável (São Paulo) ocorreu do dia 2 a 22 de setembro. A Virada foi especialmente criativa e rica de atrações. No dia 12, o Fala Sampa marcou mais uma vez sua presença na Virada Sustentável com a apresentação do Pulsa Coração com as batidas dos tambores conduzidos pelo Paulo Suzuki, presente em todas as edições que fizemos do Fala Sampa. Foi muito emocionante! Vale a pena conferir a programação completa do que aconteceu no  https://www.viradasustentavel.org.br/cidade/sao-paulo

21 de setembro

Dia Mundial da Gratidão – Esse dia existe há 55 anos e vem sendo celebrado anualmente no mundo todo. Este é um dia no qual as pessoas são convidadas a agradecer a todos aqueles que fazem parte das suas vidas. É o dia do ano dedicado a parar para refletir em tudo de bom que há na vida, um gesto que acaba por impactar o bem-estar das pessoas. Sua origem deu-se em 1965 no Havaí, onde se realizou o primeiro encontro internacional sobre a ideia de tirar um dia do ano para agradecer formalmente por todas as coisas de bem que se encontram no mundo. No ano seguinte, em 21 de setembro de 1966, muitos dos participantes que estavam naquele primeiro encontro colocaram em prática o gesto e implementaram definitivamente o Dia Mundial da Gratidão (World Gratitude Day), celebrado em todo o mundo.

Dia da Árvore – No Brasil celebramos o Dia da Árvore pouco antes da primavera. As árvores estão clamando para ficarem em pé e fazerem seu trabalho de reter o CO2 e exalar oxigênio. Há 10 anos iniciava o movimento do Veta Dilma em relação ao Código Florestal. Entre as imagens de impacto para mobilizar a pedir para vetar o projeto de mudanças indecorosas para o meio ambiente, lembro de uma que tinha as árvores cortadas empilhadas e com rostos de tristeza desenhadas nelas. Foi também o movimento #florestafazadiferenca. Nossas árvores nunca precisaram tanto de amor carinho como agora. Viva as árvores! Vivam!

Dia Mundial da Paz – Desenvolver uma cultura de paz, principalmente nos jovens é fundamental para um futuro possível… que hoje parece impossível. Nesse dia, no mundo todo, foram feitos encontros de meditação pedindo e vibrando pela paz. Acredito muito nessas iniciativas. Amanhã, 2 de outubro, é o dia Internacional da Não-Violência, aniversário do nascimento do Gandhi. Entre as ações para o dia de amanhã, recomendo o Gandhi do ator João Signorelli que vem levando a paz por onde passa, inclusive na Índia. Amanhã estará na embaixada da Índia e a noite no espaço do Bixiga (São Paulo) EVVIVAH.

Assembleia Geral da ONU – O dia 21 de setembro também contou com os discursos na 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU. O Brasil tem a prerrogativa de abrir os discursos dos chefes de Estado. Esse ano voltou a ser presencial e tivemos que assistir a uma sucessão de gafes em Nova York e inverdades no discurso. Vou me ater ao brilhante discurso do secretário geral da ONU, António Gutterres.   

Segue um trecho:

“Estou aqui para soar o alarme: o mundo precisa acordar.

Estamos à beira de um abismo – e nos movendo na direção errada.

Nosso mundo nunca foi tão ameaçado.

Ou tão dividido.

Enfrentamos a maior escalada de crises em nossas vidas.

A pandemia de Covid-19 ampliou as desigualdades gritantes.

A crise climática está atingindo o planeta.

Revoltas do Afeganistão à Etiópia, ao Iêmen e além prejudicaram a paz.

Uma onda de desconfiança e desinformação está polarizando as pessoas e paralisando as sociedades, e os direitos humanos estão sob ataque.

A ciência está sob ataque.”

Mais adiante diz:

“Excelências,

Os alarmes climáticos também estão tocando em alta velocidade.

O recente relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças do Clima [IPCC] foi um código vermelho para a humanidade.

Vemos os sinais de alerta em todos os continentes e regiões.

Temperaturas escaldantes. Perda de biodiversidade chocante. Ar, água e espaços naturais poluídos.

E desastres relacionados ao clima em cada esquina.

Como vimos recentemente, nem mesmo esta cidade – a capital financeira do mundo – está imune.

Cientistas do clima nos dizem que não é tarde demais para manter viva a meta de 1,5 grau do Acordo de Paris sobre o Clima.

Mas a janela está fechando rapidamente.”

Vejam o discurso completo em https://brasil.un.org/pt-br/145385-discurso-do-secretario-geral-da-onu-assembleia-geral-21-de-setembro-de-2021

28 de setembro

Greta Thunberg fala na abertura da conferência Youth4Climate (Jovens pelo Clima), em Milão na Itália. Ela, como sempre, fez uma fala direta e contundente. Denuncia as palavras que não se tornam ações e a falta de escuta nos jovens. Fingem que escutam e que fazem.

“Isso é tudo o que ouvimos por parte dos nossos líderes: palavras. Palavras que soam bem, mas que não provocaram ação alguma. Nossas esperanças e sonhos se afogam em suas palavras de promessas vazias”.

Em outro momento:

“Não existe um planeta B, não existe um planeta blá-blá-blá, economia verde blá-blá-blá, neutralidade do carbono para 2050 blá-blá-blá”, acrescentou, denunciando “30 anos de blá-blá-blá” dos líderes mundiais e “sua traição com as gerações atuais e futuras.”

O discurso de Greta no https://youtu.be/wpo33oLne-Y

O reality show CPI da Pandemia que já estava em seus capítulos finais e já quase sem audiência de público conseguiu retornar aos lares dos brasileiros que estavam sem BBB ou outras opções de entretenimento. Apesar da boa intenção de alguns, o circo continua a realizar cenas que causam vergonha alheia. A novela está programada para terminar no dia 20 de outubro.  

   

Hoje, primeiro de outubro, conduzi junto com a jovem Bel Jeha (22 anos) uma conversa, na SoL Brasil, sobre a visão sistêmica da alimentação sustentável. A SoL (Society for Organizational Learning) foi criada no MIT por Peter Senge e outros fomentadores do pensamento sistêmico para realizar diálogos que importam em aprendizagem. Falamos para uma audiência de 30 pessoas sobre o impacto das escolhas alimentares no meio ambiente, na saúde e na compaixão pelos animais e pessoas envolvidas na indústria do alimento. Foi especialmente bom. Gostaria de compartilhar alguns links que usamos e outros que recomendamos.

Um documentário do David Attenborough e Nosso Planeta lançado em 2020 –  https://www.netflix.com/br/Title/80216393

Um segundo documentário do David Attenborough – Rompendo Barreiras: Nosso Planetahttps://www.netflix.com/br/title/81336476

Um curta de 2 min realizada pela Last Chance for Animals  https://youtu.be/c1DcFmUrxUQ

Que venha outubro!

Read Full Post »