Feeds:
Artigos
Comentários

[ COP21 ]

Paris Colchetes

A COP21 realizada em Paris está entre colchetes! Os colchetes foram amplamente utilizados para marcar nos rascunhos do texto as partes que precisariam ainda ser negociadas. Terminada a primeira semana o texto, com ainda 48 páginas, tinha mais de 900 colchetes! Dá para imaginar? O título acima com os colchetes reflete minha opinião em relação aos resultados dessa COP em Paris. Ainda temos muito que analisar e estamos longe de entender qual o impacto real dessas decisões. Será que os que tão celebrados 1,5C graus são possíveis de serem realizados? O que realmente significa isso? Teremos que produzir índices de emissões negativas, ou seja, criar tecnologias que resgatem e armazenem carbono. Essa ideia chega a ser ridícula quando entidades como a Fundação Clinton inventam uma maquina que imitam uma árvore… não parece bem mais razoável manter as árvores que já temos e plantar mais dessas maquinas de resgatar carbono? Matrix! Outra coisa importante para lembrar é que esse documento começa a valer só em janeiro de 2020 – e até lá? A China, por exemplo, que é o maior emissor do planeta vai continuar aumentando suas emissões até 2030 quando, só então, começará a reduzi-las. Uma ironia para a China foi a situação insustentável para algumas cidades respirarem pouco antes dessa COP. A Natureza falando… digo GRITANDO! Não quero estragar a alegria de todos nós de que a COP21 foi um sucesso! Claramente os resultados foram melhores do que Copenhague lembrando que passamos pela Rio+20 e que a COP20 no Peru deu o início aos trabalhos para esse resultado em Paris. Nesse sentido deveríamos estar bem mais avançados do que estivemos durante essa dúzia de dias em Paris. Fora isso não podemos descartar a situação na França que estava bem complicada para o atual presidente e que os atos terroristas o colocou novamente nos holofotes de um natural sentimento de nacionalismo. Triste e até mesmo feio dizer que se aproveitou da situação e fez o mesmo com a COP21. O resultado se refletiu, no dia seguinte, nas eleições regionais da França que conseguiu eliminar a extrema direita (ainda bem do meu ponto de vista) que tinha se destacado fortemente no primeiro turno. Seria ingênuo pensar que a COP21 não teve suas cores pintadas nesse contexto. Outras cores como as do EUA também foram um forte influenciador dos resultados para acomodar suas necessidades, até mesmo constitucionais. Novamente precisaremos de muitas semanas num trabalho conjunto para analisar os resultados da COP21.

O que pode já ser considerado um grande sucesso, foi o movimento, ações e participação da sociedade civil. Uma quantidade gigantesca de eventos, palestras, movimentos, rodas de conversa, manifestações e outras expressões significativas. Foi um “show” de criatividade, compartilhamento, colaboração, humor, sentimento de ser e muito amor! Parabéns aos milhares de participantes que levaram essa beleza e esperança que teremos um mundo melhor! Também levaremos muito tempo para absorvermos todas essas maravilhas que foram trazidos por muitos os povos da terra. Fiquei emocionado em muitos momentos e principalmente orgulhoso de fazer parte dessa tribo… humana… da Natureza. Somos Natureza!

Voltando as minhas impressões de Paris, me surpreendi com o estande do Brasil na ONU. Foi uma declaração explícita de que como estamos tratando a questão climática em nosso país. Senti vergonha, principalmente ao ver os outros… Dava vontade de chorar! O Brasil assumiu o protagonismo na Eco92 e tinha tudo para continuar a liderar esse movimento no mundo. Já na Rio+20 fizemos o vexame de, seis meses antes, adiar em 15 dias o evento que desde 1972 (Estocolmo) tinha a data de 5 de junho como símbolo mundial do Meio Ambiente. Por que fizemos isso? Por causa do aniversário da Rainha da Inglaterra que celebrava o Jubileu de Diamante (60 anos) de coroação. Verdade! Fomos perdendo esse protagonismo que Naturalmente deveria ser nosso. A Natureza também GRITOU em nosso país antes da COP21. Os incêndios nas florestas, principalmente na Chapada Diamantina. O terrorismo que matou um rio e toda sua fauna e flora.  Destruiu 324 hectares de Mata Atlântica nos arredores do rio Doce e de seus afluentes. O espaço total causado por esse crime é do tamanho de Portugal. Imaginem o que aconteceria se Portugal fosse varrido por esse mar de lama? Teria a baixíssima repercussão que Mariana teve? Por que a repercussão foi tão baixa nas nossas mídias e por consequência na internacionais? Por que outro ato terrorista ocorrido em Paris uma semana depois teve MUITO mais espaço na nossa mídia. Por que?

Falando em espaço na mídia ocorreu em Paris o mesmo que no Rio de Janeiro na Rio+20. No último dia e no dia seguinte a capa do Jornal Globo destacava um problema na presidência do Paraguai… incrível!  Para quem estava no miolo da Rio+20 foi surreal! Se eu não soubesse e estivesse lendo esse artigo iria imediatamente para o Google pesquisar na certeza de que o autor só podia estar equivocado. Em Paris o último dia e o dia seguinte só se falava, na mídia tradicional, das eleições regionais. Pelo menos o assunto era local! Por que a pauta do Jornalismo Ambiental ou mesmo da Sustentabilidade como um todo não ocupa as páginas da mídia tradicional.

Vou separar tudo que vivenciei, as pessoas que conversei, os projetos e escrever uma matéria para aqueles que possam se interessar pelos corredores da COP21 de Paris.

ALLEZ BRÉSIL!!!

cop 21

A partir do dia 30 de novembro, teremos o evento mais importante e significativo para o futuro da nossa humanidade.

Estamos numa crise civilizatória e os reflexos estão por toda parte.

Acompanhe de perto o que o mundo nos reserva para o nosso futuro comum!

Estarei lá!

http://www.cop21.gouv.fr/en

 

VAMOS PARAR COM ISSO? Será que podemos tratar o transtorno de déficit de atenção ÀS CRIANÇAS e a hiperatividade AOS LABORATÓRIOS e PSEUDO-TERAPEUTAS por parte de gestores escolares, educadores e professores? Se alguém vier com o argumento óbvio e primário de que o TDAH existe e que em alguns casos precisam ser tratados… nos poupem! Já viram os números do consumo de Ritalina (a pílula da obediência) por crianças e jovens no Brasil? Assustador! Vamos parar com isso! Vamos tratar e se for preciso medicar o nosso atual sistema educacional! Não é opinião, é estatística! Somos o quinto país em tamanho e população, o oitavo em PIB… e na Educação? Segundo a ONU estamos em septuagésimo nono (79º) lugar em educação no mundo. Um estudo profundo da Pearson (The Economist) entre apenas 40 países estamos em 38º!!! Alguma dúvida? Gestores de Escolas e Educadores, por favor, parem de convencer os pais de que seus filhos estão desajustados à escola e de que precisam de ajuda de um terapeuta e até mesmo se medicarem! Vamos parar com essa farsa!

Estudo da Peorson: http://bit.ly/pearsonindex

Fala Sampa 2015

O Fala Sampa é a voz da cidade… dos cidadãos! Acontece durante a Virada Sustentável no Parque da Água Branca. Veja a programação de 2015 no FALASAMPA.com

Facebook

Preparem-se que esse post é longo mas cheio de coisas boas! smile emoticon
Amanhã (sábado) começa o Fala Sampa dentro da Virada Sustentável no Parque da Água Branca. Venha trazer seu corpo, mente e alma para uma jornada de apreciação. Dança Circular, Escambanagem (venha descobrir o que é isso), Continuum Movement), Círculo de Tambores, Reflexão via Cartoons, Saúde Sustentável, Jogo da Transformaçõa (Findhorn), fazer a Caminhada ao Longo do Tempo (inspirada na Schumacher College), Introdução ao Diálogo, YOGA para o parto, Type Stove, Compositando, Reflexão e Filme (Megafauna), Diálogo de Guerreiros, Self-Healing (Meir Schneider), Projeto Cantarolando, Música do Círculo e gostaria de destacar 4 momentos no auditório (prédio da Administração).

Questão da Água – Como está esse assunto da Água em São Paulo? Maru Whately vai dar um panorama completo da situação sem os “ismos” que esse assunto costuma trazer e para iniciar uma conversa nessa roda teremos as inspirações da Claudia Visoni (Cisterna Já), do Dal Marcondes (Envolverde) e do Alan Dubner (5 Elementos). Vai ser esclarecedor!

Vejam o convite do Facebook no http://bit.ly/aguasampa

Nova Economia – Para que lado vamos? Claramente estamos assistindo emergir novos formatos de uma economia realmente sustentável. Eles estão ultrapassando a barreira da margem para assumirem, cada vez mais, a posição de protagonistas. Lala Deheinzelin vai nos conduzir por esses caminhos e apresentar esse admirável mundo novo. Com ela Camila Haddad (Cinese), Ricardo Glass (Capitalismo Consciente), Louise Akemi (Bankult/Fora do Eixo e Mathias Cheistwer (La Papa) vão enriquecer esse diálogo. Venha participar amanhã (sábado) às 11h30.

Vejam o convite no Facebook no http://novaeconomia.com.br

Nova Educação – Para os apaixonados pelas boas práticas de Aprendizagem esse é o lugar para estar amanhã (sábado) às 14h no Parque da Água Branca. Será um diálogo entre a experiência de anos de aplicação de uma aprendizagem que forma o Ser de ser humano (Peo) com as novas pesquisas em aprendizagens que funcionam (Tathy). Um panorama do que existe no Brasil e no mundo e uma reunião de um grupo maravilhoso que atua, cada um de sua forma, nos diversos processos da Aprendizagem. Essa conversa será registrada pelas canetas que captam as “essências” em formatos gráficos da Mila Motomura. Além disso, vamos produzir um livro bem descontraído dessa troca. Venha aberto para essa troca de ideias, experiências e busca de boas práticas na Educação.

Alan Dubner, Carla Ferro, Carla Mayumi, Carlos Emediato, Christina Belfort, Deborah Dubner, Denise Curi, Elena Crescia, Felipe Correia, Felipe Tinoco, João Signorelli, José Pacheco, Mara Mourão, Max Nolan, Mila Motomura, Olga Balian, Patricia Aguirre, Peo (Maria Amélia Pereira), Rita Mendonça,Rodrigo Rubido Alonso Tathyana Gouvêa, Tulio Schargel e Wellington Nogueira.

Vejam o convite no Facebook em http://novaeducacao.com.br

Nova Politica – No domingo destaco entre tanta coisa boa acontecendo no Parque uma conversa sobre os novos caminhos da política. Uma política do cidadão para o governo. Uma política sustentável. O que é isso? Como pode? O grupo vai trazer sua experiência de 2 anos de buscas e práticas reais e a pareceria com a Schumacher College para formar uma nova geração de pessoas que exercem a política. Eduardo Rombauer, Ricardo Young e Ademar Bueno vão estar conduzindo essa roda de conversas. Venha participar como cidadão ativo, protagonista de sua própria realidade. Compareçam

Vejam convite no Facebook http://novapolitica.com.br

Dia Mundial da ÁGUA

A ÁGUA nos UNIFICA!
Amar a Água muda nossa relação com ela!
Assim como Água pode mudar de Curso, nós também podemos!
Juntos criamos a Mudança!

Crowdfunding Alan

Uma das experiências mais recompensadoras é colaborar num projeto através de crowdfunding (financiamento coletivo). Parece bobagem que uma pequena contribuição sua pode ser tão importante para o projeto quanto para você. No pré-lançamento do filme EU MAIOR foi uma sensação incrível estar participando ativamente de um projeto maravilhoso como aquele. O filme foi exibido em pré-estreia em três salas lotadas para aqueles que, como eu, haviam colaborado para sua viabilização. Encontrar amigos e conhecidos foi uma delícia também. Ver meu nome listado nos créditos do filme e do site também fez parte da satisfação dessa experiência.

Outro momento especial foi no lançamento do livro “Volta ao mundo em 13 Escolas” dos queridos Eduardo Shimahara, Carla Mayumi, André Gravatá e Camila Piza. Me senti cúmplice do projeto. Quando vi o livro pronto, gratuito para download senti como uma vitória minha também!

Colaborei com muitos projetos e os divulguei intensamente. Só para citar alguns: o documentário “Quando Sinto Que já Sei”; TEDxJardinsEducação Fora da Caixa;  “Cúpula dos Povos na Rio+20”; a viagem Destino Sustentável;  Bolsas para Programa WYSE Internacional de Liderança; Cooperação e Colaboração em Ação da Denise Curi; pesquisa Sonho Brasileiro da Política; Portal Tellus Inspira;  revista Efêmero Concreto 4;  entre outros. A primeira colaboração a gente nunca esquece, foi em 2010 (no Vakinha) para o Aiki Biking for Peace, uma incrível viagem do amigo José Bueno.

Agora é a minha vez! Conheça nossa Projeto!

O destino juntou uma dúzia de pessoas que conspiram, inspiram e transpiram política há muito tempo. Não essa política tradicional, obsoleta, corrupta e manipuladora. Uma política criativa, inovadora, ética e principalmente colaborativa.  Cada um da sua maneira e com resultados bem concretos foi se aproximando… se aproximando… até que os polos se atraíram como um imã para um projeto em comum, incomum. Comunidade de Práticas Políticas Transformadoras.

2014

O que foi esse ano de 2014? Quando será que terminará? Quando conseguiremos ter a distância suficiente para compreendê-lo? Foram muitos anos dentro do mesmo ano!

Não aconteceu NADA e aconteceu TUDO! Parece que nada mudou, mas na verdade tudo mudou!

Para ilustrar o que foi esse ano no Brasil, a melhor imagem foi o primeiro gol que fizemos nessa Copa do Mundo! O gol que inaugurou a Copa 2014 foi marcado por nós… gol contra! O único gol contra do Brasil em Copas do Mundo foi logo ser em casa? O gol contra esteve presente o ano todo em nosso país. Fizemos gol contra a Petrobras, as eleições, a Amazônia, a justiça, a mídia, a água, o combate à corrupção, a natureza, a transparência e mais uma dezena de casos emblemáticos desse ano. Quem imaginaria, que em 2007, quando festejávamos a confirmação do Brasil para sediar a Copa do Mundo, que viveríamos um dos mais vergonhosos momentos da história? Quem imaginou que a imagem do Brasil no mundo seria a pior possível… antes, durante e depois da Copa? Por quê? Para que? E principalmente para quem? Padrão FIFA? Brasil, Qatar e Rússia…

E quanto às eleições? O que foi aquilo? Há muitos anos não vivemos momentos de tanta degradação, vergonha e falta de respeito na política. Foram ultrapassados todos os limites da decência! Teve fraude nas urnas eletrônicas? E nas pesquisas? Esse “vale tudo” rebaixou a atual política e políticos para um patamar que dificilmente se sustentará nas próximas eleições. A Política vai mudar! Os jovens vão ocupar a política! Muitos daqueles que não ligavam para política, a partir dessa eleição, vão ter que se ligar. Mas o pior dos momentos foi a decepcionante realidade de um amigo, parente ou formador de opinião defendendo a candidatura de tudo aquilo que você abomina. Como fica? E agora José? Será que essas feridas vão cicatrizar, ou teremos uma segunda rodada com “tá vendo” ou “te disse”? Isso doeu! Em alguns casos será irreversível!

Lá fora também tivemos acontecimentos inacreditáveis em 2014. O Ebola, o sumiço do voo 370 da Malásia Airlines, a eleição na União Europeia, a queda do Rublo Russo, conflitos na Ucrânia, crescimento do terrorismo do Estado Islâmico, 270 meninas raptadas na Nigéria, pouso do robô Philae num cometa, 43 estudantes “desaparecidos” no México, julgamento do Oscar Pistorius, as mulheres de François Hollande, morte do Robin Williams, o Nobel para Malala Yousafzai, a simpatia do Lukas Podolski (jogador alemão), aproximação entre Cuba e EUA, “A Entrevista” filme da Sony, IPO da chinesa Alibaba, conflitos em Gaza, ascensão e queda de Eike Batista e muito mais acontecimentos inusitados nesse mesmo ano.

A parte boa de tudo isso é o que aprendemos e apreendemos de 2014. Primeiro que as mudanças climáticas são uma realidade gritando à nossa porta. Espero que os mais céticos se envergonhem de ter passado tanto tempo não acreditando que a humanidade contribuiu significativamente para essas mudanças climáticas. As campanhas políticas não tem mais como funcionar nessa baixaria orquestrada por uma comunicação antiética e desonesta. A corrupção não está mais tão impune, pequenas conquistas foram adquiridas. O sistema educacional está insustentável e, portanto , cabe uma mudança.

Sei que nada será como antes
Qualquer dia a gente se vê
Sei que nada será como antes… amanhã!